Home – América do Sul – Peru – Post

Conhecendo Lima, a incrível capital do Peru

Nosso plano inicial para Lima, a capital do Peru, era de somente quatro dias, mas viraram duas semanas por muitos motivos!

Vou começar pelo começo, muitas vezes quando estamos na estrada não tem jeito, queremos chegar logo. Então acabamos não parando para comer, para não atrasar. Ir para uma cidade grande também sempre tem um peso maior, afinal, tem trânsito, tem segurança e tudo isso nos deixa um pouco pilhados! Fora tudo isso, uns 50km antes de Lima paramos para abastecer o carro e o Coyote não ligava de jeito nenhum. Tentamos o plug do combustível e nada. Depois de uns 15 minutos deixando ele pensar e refletir, ele voltou a funcionar.

Chegando a Lima fomos a um hostel HitchHikers bem no meio do bairro de Miraflores, que é uma região super legal na cidade. Apesar de ser um hostel dormíamos no carro e usávamos a estrutura dele, com banheiros, cozinha e internet por apenas 36 soles (algo como 13/14 dólares).

Era uma segunda-feira e fomos almoçar às 18 hrs, na volta conhecemos dois irmãos gregos super gente finas e ficamos batendo papo até 2h da manhã. Super agradáveis e adoram o Brasil, foi bem legal.

Um deles era louco por fórmula 1 e futebol então o papo rendeu (encontraríamos eles na Grécia 2 anos depois).

O charme de Lima, capital do Peru.

Nossa primeira noite em Lima não foi muito boa

Essa noite já dormi mal, achei que ia desmaiar de tanta dor de estômago. O Leo cuidou de mim e consegui dormir um pouco, mas ainda acordei sentindo que algo não estava normal, achando que podíamos ser as cólicas, coisa que eu não tinha desde que era adolescente. Enquanto descansava assistindo algum jogo de tênis em uma das salas, conhecemos mais uma pessoa legal, a Marieve, do Canadá.

Apesar de estar há um mês no Peru e com o voo marcado de volta para casa no dia seguinte, ela ainda não tinha comido ceviche. Tínhamos a recomendação de um lugar ali pertinho, nós a convidamos e fizemos mais uma amiga.

Mas o pior ainda estava por vir.

Chegando ao restaurante, pedi para o Leo buscar uma água e nesses segundos dele ir até a cozinha, rapidamente comecei a piorar, foi o tempo de eu ir até ele e ali mesmo desmaiar. Isso só aconteceu uma vez na minha vida quando também tinha ficado muito tempo sem comer. Na época, eu ainda trabalhava no banco e depois de passar a noite no hospital fazendo todos os exames possíveis não deu em nada e a conclusão foi stress, e eu tinha o banco para culpar, mas e agora? Agora estou realizando o sonho, por que eu passaria mal?

A parte boa é que o restaurante tinha um convênio com um hospital e rapidamente os médicos chegaram. A Marieve ficou lá também acompanhando todo o drama. Eu estava naqueles dias e os médicos acharam que o desmaio pode ter sido causado pelas cólicas. Mediram minha pressão e saturação do sangue e tudo já estava normal, vai entender!

No final fiquei lá, tomando um chazinho enquanto Leo e Marieve se deliciavam com ceviche.

Tudo por causa de um simples ceviche.

Vida agitada em Lima…

Tínhamos recomendação de muitos amigos de amigos para conhecer e assim fomos jantar com o Humberto e a Andrea. Ele trabalha no Citi e é amigo de um de nossos amigos! Conhecia São Paulo e muitas das pessoas que trabalhamos, e com isso nos divertimos.

Fora isso, apesar de morarem no Peru há mais de dez anos, eles são bolivianos e tinham acabado de voltar de um ano morando em Nova Iorque. Então estavam loucos para nos mostrar várias coisas legais pela cidade! Outro fato engraçado, é que a Andrea chegou para nos conhecer e ficou um tanto surpresa quando nos viu, pois achou que éramos um casal de aposentados viajando, rsrsrs!

Após o jantar eles ainda nós levaram para um tour noturno para ver Lima e foi uma delícia.

Um compromisso diferente e super legal em Lima

No dia seguinte, apesar de termos ido dormir bem tarde, tínhamos um compromisso que adoramos: Ir contar para os escoteiros do Colégios Alexander von Humboldt sobre a nossa viagem! Tiramos o Coyote da garagem, depois de quase uma semana de descanso e lá fomos nós. Primeiro falamos com o grupo de 11 a 16 anos, que depois de nos batizarem como escoteiros nos fizeram brincar de Buldogue Inglês. Apesar de não ter ideia de como era a brincadeira, uma das crianças me disse que é um pouco agressiva! Que medo!

A brincadeira é tipo uma queimada, mas com pessoas, o Leo foi o último a ser pego, depois que já tinha mais de vinte crianças se preparando para atacá-lo!

Depois da brincadeira ainda fomos fazer toda a apresentação para os lobinhos, que são de 7 a 10 anos e ficamos mais felizes ainda. Os pequenos nos surpreenderam com as perguntas, os imaginários super lúdicos com as perguntas mais diferentes possíveis! Apesar de cansados e com fome, pois não tínhamos nem tomado café da manhã, ficamos mais do que contentes com o programa!

Um obrigada super especial para a Fernanda Poggi, que fez desse passeio possível, amiga da nossa prima Fabíola. Ela é brasileira-peruana e, ela e sua mãe Ana, foram bem gentis com a gente. Nos presentearam com uma broa bem brasileira, um banco imobiliário para viajantes, nos levaram para conhecer uma cafeteria. Também nos convidaram para comer comida japonesa na sua casa e marcaram uma reunião com um chefe de cozinha para fazermos uma matéria para o VLE Gourmet!

O dia que ganhamos o lenço de escoteiro honoráveis em Lima, Peru

Nossos amigos de Lima.

Recebendo visitas em nossa “casa” durante nossa visita a Lima, Peru.

Fazendo turismo por Lima…

Depois de quase uma semana em Lima, ainda não tínhamos saído para ver a cidade. Enfim era domingo e saímos para conhecer a região. Como estávamos no bairro de Miraflores saímos a pé e passeamos pelas diversas praças, todas muito bem cuidadas. Cheias de árvores e flores, vimos pessoas pulando de paraglider e colorindo o céu. Pessoas andando de bicicleta, com seus animais, crianças brincando – muito agradável para uma cidade de quase 10milhões de pessoas.

Continuamos a caminhar e vimos uma pista de skate com crianças treinando e fazendo aula. Vimos também uma pista de bmx, com os pequenos andando de bike agressivamente! Sentamos ali e aproveitamos o tempo sem pressa…

De lá pegamos um táxi para o bairro de Barranco, sabíamos que esse bairro é famoso pelos bares e pela boemia. Ficamos muito felizes de encontrar uma feira de comida típica, as barracas estavam dentro de um estacionamento, aproveitamos para almoçar e conhecer mais algumas delícias dessa incrível culinária.

Na segunda-feira tínhamos mais um encontro, com o Eduardo Monteiro, mais uma pessoa que virou amigo! Edu nos levou para conhecer o centro de Lima que inclusive é Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Apesar de sempre ter aquelas ressalvas sobre os centros principalmente sobre segurança, não sentimos nenhum medo. Encontramos um grupo de japoneses tirando fotos com os guardas do palácio do governo, que atenciosamente posavam com os turistas, tudo bem legal!

O Edu também tentou nos levar no parque das águas, mas por ser segunda-feira estava fechado. Fomos novamente na quinta-feira à noite e adoramos o programa! Com certeza se tiver algo que recomendaríamos em Lima, seria esse passeio. Não sei se porque nossa expectativa era baixa, mas chegamos lá e ficamos muito surpresos: primeiro com a organização, limpeza do parque e segurança e segundo pela estrutura em si!

São várias fontes, cada uma um espetáculo a parte, fonte que inclusive dançava com o ritmo de uma música enquanto crianças e adultos tentavam entrar e sair dela sem se molhar! Esse parque com as fontes há quatro anos, já que a região antigamente era perigosa e foi revitalizada!

O centro de Lima é patrimonio da humanidade, pena o tempo estar fechado.

O maravilhosa parque das aguas em Lima, um super show!

O que não faltaram foram encontros bacanas em Lima.

Aproveitamos o tempo e fomos verificar o Coyote

Ainda nessa semana aproveitamos para cuidar do Coyote, fizemos balanceamento e levamos ele em um mecânico especializado em Land Rover. Super simples, Edgar atende e cuida das LR na garagem de sua casa, quase na saída da cidade. Ele nos ajudou a identificar o problema do Coyote não ligar, ele acha que é o alarme. E para não desmontar o carro para descobrir onde está escondido o segredo, puxamos dois fios do motor de arranque para fazer ele ligar na marra quando não pegar!

Por enquanto está funcionando.

Essa semana ainda rendeu mais alguns amigos como o Jorge Gallardo, que também tem uma defender 110. Ele  viu o Coyote na rua e parou para falar conosco, bem legal! Fizemos uma matéria para o VLE Gourmet no restaurante Punta Sal com o chef Adolfo Perret. Conhecemos muitas pessoas bacanas no Hostel Hitchhickers e ficamos com a sensação de que Lima é uma ótima capital para se visitar!

Nem sempre o visual impressiona, mas ele fez um bom trabalho.

Curiosidades e informações:

  • Feira Misturinha: Bairro de Barranco, todos os domingos a partir do meio-dia
  • Parque das Águas: Funciona de quarta a domingo, a partir das 16:00 e a entrada custa 4 soles (aprox 3 reais). Nós fizemos o passeio a noite e adoramos, até para ver melhor as cores!
  • Andar de taxi é a nossa sugestão na cidade.

Inspire-se com nossos livros

Livro Viajo logo Existo Um ano na Estrada

Livro Viajo logo Existo Um Ano na Estrada (1)

R$ 65,00

Livro Viajo logo Existo no Velho Continente

Livro Viajo logo Existo no Velho Continente (2)

R$ 80,00

Livro Viajo logo Existo Um ano na África

Livro Viajo logo Existo na África Selvagem (3)

R$ 80,00

Livro Viajo logo Existo Um ano na Ásia e Oceania

Livro Viajo logo Existo Um Ano na Ásia e Oceania (4)

R$ 80,00

Nossos Parceiros

Logo Microsoft - Parceiro
Logo Smiles - Parceiro
The North Face logo - Parceiro
Logo Copa Airlines - Parceiro
Logo Software One - Parceiro

Deixe seu comentário! Queremos sua opinião.

Queremos te ajudar a viajar ainda mais!

Veja nossos guias de viagem